sábado, 28 de abril de 2012

Entrelinhas



_Ah! A cidade é repleta de gentes de todos os tipos. E eu odeio os tipos, tenho adquirido repulsa pelas gentes.  Odeio essa coisa de perspectivas de um futuro perfeito.
Família, filhos e de domingos em família com a porra de uma exploraçao cretina para fazer a mulher mais velha da casa lavar a louça no fim da tarde.
E os fins de tarde?_ ela continuava falando.  E eu ficando de saco cheio.

_Liz, por gentileza, não me fale dos fins de tarde, não me lembre estes momentos.
Eu estou sozinha nesta porra e você fica me remetendo aos fins de tarde? Justamente o momento mais tedioso, vazio, onde tudo que vejo acho deprimente.

_Sarah. Entenda que tudo é metamórfico. Não existe o absoluto, não há verdade que te prenda, tudo é permitido. O imediato está ai na sua frente e o que pretende fazer com ele?

_Sua hedonista filha-de-uma-puta.

_Diga-me quantas vezes o seu altruismo te salvou? Quantas vezes seu "bom coração" aniquilou dos teus vazios fins de tarde?

_Não me preocupo com a troca, não sou mercenária, acredito nas mudanças, sofro junto caralho!
Mas concordo com você sobre as gentes e os tipos. E eu gosto de família até certo ponto.

_hahaha, você é boba.

Continuou rindo de mim e desapareceu pela sombra do guarda-roupa. Espero que volte mais tarde, ela é um saco, mas acho deliciosa a brincadeira de concordar e discordar do que ela diz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentar ou dar uma rapidinha?